Antonio Dias participará deste evento.

O encontro será realizado no próximo dia 10, no auditório do Crea-Minas, em Ipatinga, às 9h30.

Piscicultura: agronegócio no Vale do Aço será alvo de fiscalização no Vale do Aço

Produtores rurais e empreendedores do Vale do Aço vão se reunir com o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-Minas), para debaterem sobre a fiscalização no agronegócio. O encontro será realizado no próximo dia 10, no auditório do Crea-Minas, em Ipatinga, às 9h30. O evento faz parte das atividades da terceira etapa do projeto de Fiscalização do Agronegócio do Crea-Minas, iniciado em 2015.
Nessa reunião, os produtores rurais e empreendedores de Zootecnia bovinocultura, avicultura, suinocultura, entre outros serão orientados sobre a fiscalização do conselho, esclarecendo as dúvidas sobre os critérios de fiscalização neste setor e sobre a regularização das atividades e dos profissionais que nela atuam. Também participarão do encontro representantes do agronegócio da região, instituições do setor, profissionais e demais interessados no tema. Já a ação de fiscalização será realizada entre os dias 19 e 23 de junho de 2017, nos municípios de Ipatinga; Coronel Fabriciano; Timóteo; Belo Oriente; Naque; Açucena; Antônio Dias; Dionísio; Jaguaraçu; Marliéria; Periquito e São José do Goiabal.
O fiscal da Regional Vale do Aço do Crea-Minas, engenheiro de produção Vinicius Paiva, destaca que essa será uma oportunidade para esclarecer a função do Crea-Minas e a sua fiscalização. “O objetivo da reunião é apresentar, para os participantes, o papel do Crea junto à sociedade, como também os critérios utilizados na fiscalização. O resultado deste trabalho busca garantir segurança a estes produtores e empreendedores quanto à regularidade e à habilitação dos prestadores de serviço por eles contratados”, afirma Vinicius.
As ações de fiscalização têm como objetivo a constatação da regularidade nas atividades de base tecnológica, verificando a responsabilidade técnica através do registro das empresas e dos profissionais responsáveis técnicos no Conselho, bem como a Anotação de Responsabilidade Técnica (A.R.T.). O fiscal explica que a presença destes profissionais em todas as etapas da cadeia produtiva garante a aplicação das melhores e mais modernas técnicas, maior produtividade com menor custo e com segurança alimentar, além de atender a todas as exigências legais, sendo isto o desejado pelo mercado consumidor.Fonte: Diário do Aço